19 de dezembro de 2022

Construtoras e incorporadoras respondem à demanda e ampliam práticas ESG

O estudo ESG na Prática, elaborado pelo CTE (Centro de Tecnologia de Edificações) em parceria com a Abrainc (Associação Brasileira de Incorporadoras Imobiliárias), aponta forte crescimento da aplicação do conceito.

Segundo o levantamento com 27 empresas do setor, 71% delas já cumprem diversas ações de ESG (sigla em inglês para ações ambientais, sociais e de governança) e outras 29% estão em fase inicial de implementação.

A mobilização é uma resposta à pressão da sociedade por iniciativas que minimizem os impactos socioambientais de um setor que responde por 38% das emissões de CO2 relacionadas à energia e tem mão de obra com menos especialização.

"O ESG é um caminho sem volta", diz Luiz França, presidente da Abrainc. "Há uma demanda crescente, consumidores mais jovens, entre 25 anos e 35 anos, que nasceram consumindo esses valores e abandonam as marcas que não os aplicam", afirma.

Dos entrevistados que responderam ter algum tipo de conhecimento sobre essa agenda (94%), cerca de 64% levaram em consideração os critérios ambientais, sociais e de governança na escolha dos seus investimentos.

A não adesão aos investimentos ESG está relacionada, principalmente, com a falta de confiança e a dificuldade dos investidores em analisar e comparar as informações divulgadas.

Obstáculo que tende a diminuir a partir de 2023, quando a CVM (Comissão de Valores Mobiliários) passará a exigir mais informações das companhias.

Para atender aos critérios da agenda ESG, as empresas precisam ter iniciativas para proteger os recursos naturais, reduzir a emissão de poluentes e impactar positivamente o meio ambiente.

"Uma das boas práticas é o aproveitamento de energia solar. Se conseguir instalar [painéis solares] nas áreas coletivas dos empreendimentos, há o barateamento [da energia] inclusive para quem vai morar", afirma França.

Há também uma busca cada vez maior pela obtenção da certificação NBR ISO 14.000, que garante às empresas do setor a redução dos custos de produção, melhora da imagem pública e aumento na eficiência dos serviços.

As propostas sociais da agenda ESG incluem engajamento das empresas em relação às políticas de diversidade para o ambiente de trabalho e projetos para reduzir a desigualdade na sociedade, por exemplo. Pelo estudo, 81% das empresas no Brasil atuam para cumprir estes compromissos.

"O setor da construção civil é muito masculino. Por isso, nós aumentamos o número de mulheres nos canteiros de nossas obras", afirma Angel Ibañez, diretor de ESG da Tegra, incorporadora premiada no Master Imobiliário 2022 por Melhores Práticas em ESG e Segurança do Trabalho.

A governança, letra G da sigla, pede transparência dos processos corporativos, como investimento em mecanismos para impedir casos de corrupção, discriminação e assédio.

França afirma que a adequação ao ESG "vem se tornando um ponto crucial na visão de investidores e dos principais players da incorporação".

Ibañez relata crescimento na busca de certificações no segmento corporativo do mercado imobiliário nos últimos anos. Resultado de multinacionais demandando a aplicação dessa agenda na construção de seus escritórios no Brasil.

/uploads/2022/12/Construtoras-e-incorporadoras-respondem-a-demanda-151217.jpeg

Fonte: Folha de S.Paulo

Tags:

ESG,

Construção civil,

Mercado imobiliário

Notícias relacionadas

Fique por dentro de tudo o que rola no setor!

NOTICIAS

Entidades promovem encontros com pré-candidatos

30 de Junho de 2022
NOTICIAS

Governo Federal lança programa Recicla+ e o Plano Nacional de Resíduos Sólidos

14 de Abril de 2022
NOTICIAS

Engenheira queniana cria tijolos de plástico reciclado até 7 vezes mais fortes que concreto

16 de Dezembro de 2021
NOTICIAS

Pré-fabricado de concreto premia projetos complexos

15 de Dezembro de 2021
Ocorreu um erro. Este aplicativo pode não responder mais até ser recarregado. Recarregar 🗙