A publicação reúne recomendações da Abrainc e iniciativas desenvolvidas pelas incorporadoras nos canteiros de obras por todo o País.

Lançamentos da incorporação imobiliária aumentam 8% nos últimos 12 meses.

Abrainc publica manifesto contra paralisação do país

Fórum LIG reúne grandes nomes do setor e autoridades em São Paulo

Abrainc apoia a portaria 1129, que traz uma enorme segurança jurídica para as empresas, refletindo em geração de empregos.

Vídeo educativo sobre distrato produzido pela Abrainc está disponível no YouTube

ABRAINC NEWS#12

 

Confira mais uma edição de nosso informativo sobre as principais notícias do mercado imobiliário brasileiro.

ArrowArrow
ArrowArrow
Slider

 

22 de fevereiro de 2016

SP vai importar trânsito

artigos

 

Por Rubens Menin e Renato Ventura

A Câmara dos Vereadores deverá apreciar na próxima semana o Projeto de Lei (PL) 272/2015, de autoria do Executivo, que trata do parcelamento, uso e ocupação do solo na cidade de São Paulo, conhecido como Lei de Zoneamento.

As cidades se transformam, e hoje se destacam como lugar de prestação de serviços e trocas, inclusive de conhecimento. A melhor resposta para estas mudanças é o adensamento, que traz escala, uso de infraestrutura existente e facilita as trocas.

Assim, apesar das premissas acertadas, o texto do PL em votação trará engessamento na produção imobiliária, aumento de preços e indesejável espraiamento. E isto é muito preocupante, já que estas normas darão as bases do crescimento da cidade nos próximos 16 anos.

No início das discussões sobre o PL, as premissas de adensamento – mobilidade, aproximação trabalho-emprego, uso da infraestrutura existente – foram corretamente enfocadas.

Em seguida, se instalou o desejável processo de consultas e audiências, com ampla participação, inclusive do setor imobiliário, bem representado pelo Sindicato da Habitação (Secovi). A visão local, pela preservação de bairros e ruas, é legítima.

No entanto, um plano deve ser construído tecnicamente com uma visão de cidade e dos efeitos que este plano terá em face das restrições e incentivos apresentados. Nos próximos anos, precisaremos continuar a produzir moradias.

E esta produção deverá se dar preferencialmente em áreas com infraestrutura, mobilidade e proximidade aos locais de trabalho. O aumento no preço das outorgas, as limitações para a produção em áreas com infraestrutura e a não inclusão de uma visão metropolitana trarão aumento de preços na cidade e crescimento nos municípios da Região Metropolitana, com mais sobrecarga na infraestrutura e trânsito. Percebemos nos debates uma visão da produção imobiliária como um mal que deve ser domado e inibido.

Esta visão deve advir do crescimento do setor nos últimos anos, e da sua interface com as cidades. Além disso, a produção dos imóveis demandados, de acordo com a legislação vigente, nem sempre pode contribuir com as soluções mais adequadas. O setor, no entanto, é o canal organizado de produção, gerando empregos e inserindo milhões de pessoas no mercado formal de trabalho, buscando sustentabilidade nos seus projetos e atuando na limpeza de áreas contaminadas e ocupação de vazios urbanos.

Queremos produzir e queremos o melhor para São Paulo. Na Associação Brasileira de Incorporadoras Imobiliá- rias (Abrainc), estabelecemos como diretriz a geração de valor compartilhado para as cidades, e queremos avançar com isso.

Com este intuito, participamos na Fundação Getúlio Vargas (FGV) do evento Lei de Zoneamento: O Debate Necessário, na última segunda-feira (15) – um importante debate sobre o tema, no qual estes pontos foram discutidos.

Entre as ponderações finais, o resultado dessa conta é simples: vamos exportar importantes receitas, como ISS e IPTU, e importar tráfego. Portanto, as entidades do setor imobiliário, bem como a sociedade civil envolvida na questão do desenvolvimento urbano, apelam para o bom senso dos vereadores para que o texto do PL 272/2015 não seja aprovado sem aprofundamento nas discussões.

Assim, o Legislativo Municipal estará colaborando para o desenvolvimento urbano sustentável da cidade de São Paulo, bem como contribuindo para a geração de milhares de empregos na nossa cidade.

Sobre os autores do artigo:
Rubens Menin é Engenheiro Civil pela UFMG, presidente da ABRAINC.
Renato Ventura é Engenheiro Civil pela Poli-USP, com mestrado pelo MIT, e VP Executivo da ABRAINC.

*Artigo divulgado no caderno de Imóveis do jornal O Estado de S. Paulo, edição de 21.02.16.