A publicação reúne recomendações da Abrainc e iniciativas desenvolvidas pelas incorporadoras nos canteiros de obras por todo o País.

Volume lançado até novembro de 2016 é 16,6% superior ao mesmo período de 2015; vendas acumulam recuo de 8,8% no mesmo período. Acesse o estudo na íntegra.

Renato Ventura, vice-presidente executivo da Abrainc, discorre sobre esse problema que se tornou tão grande para incorporador e comprador.

Veja aqui o Radar Abrainc-Fipe.

Vamos construir 2017. Clique e veja o manifesto de entidades representativas dos setores da incorporação imobliária e da construção civil

Ano também foi marcado pelo aumento nas entregas e queda no número absoluto de distratos face a 2015.

Veja aqui o Radar Abrainc-Fipe

Instituições representativas da indústria, comércio e serviços publicam manifesto conjunto em defesa de medidas que consideram primordiais para o crescimento sustentado do País.

No mesmo período de análise, a relação entre distratos e vendas do segmento atingiu o patamar de 51,0%

Abrainc publica manifesto contra paralisação do país

ArrowArrow
ArrowArrow
Slider

 

4 de novembro de 2015

O equilíbrio necessário nos distratos

artigos

 

A indústria imobiliária tem registrado um forte aumento no número dos distratos, instrumento pelo qual compradores de imóveis novos desfazem o negócio, o que faz o imóvel retornar à construtora ou incorporadora.

O distrato é prejudicial para ambas as partes. O cliente não realiza o sonho da casa própria e a empresa sofre um desequilíbrio na equação econômica do empreendimento.

Outro aspecto torna a situação mais grave: além de ressarcir o comprador, a empresa precisará arcar com compromissos já assumidos para concluir a obra e suportar despesas para conseguir vender novamente a unidade, gerando mais desequilíbrio.

A Lei de Incorporação (Lei 4.591/64) não dispõe sobre os efeitos dos distratos. Ela prevê que o contrato de compra e venda de uma unidade é irrevogável e irretratável.

Os empreendimentos são desenvolvidos através de Sociedades de Propósito Específico e, recentemente, institui-se o Patrimônio de Afetação para segregar os valores de cada empreendimento, de modo a garantir a sua construção, protegendo o conjunto de compradores. A devolução de recursos pelos distratos fragiliza essas garantias.

Não existindo equilíbrio, as ineficiências e os riscos serão fatalmente cobertos pelo universo dos demais compradores. Portanto é necessário definir um critério coerente com a dinâmica natural da incorporação imobiliária.

Quando a empresa assume grande número de distratos e devolve aos compradores um expressivo volume de recursos, precisa adiar novos lançamentos até reduzir estoques. Por isso, os distratos, junto com a atual crise, têm contribuído para o desemprego na construção, além de colocar em risco a saúde financeira das empresas.

As divergências sobre os valores a serem devolvidos levam à judicialização dos processos, sugando ainda mais tempo e recursos da sociedade, das empresas e dos clientes.

A situação tem que ser vista com cautela, pois o cenário atual gera incertezas para ambos os lados. Se o comprador não consegue crédito ou pagar as parcelas, é natural que haja um acordo para a solução do problema. No entanto, há casos em que o comprador viu frustrada sua expectativa de valorização do imóvel adquirido na planta.

O investimento em um imóvel não é comparável ao de títulos financeiros. Algo tão sério como uma aquisição imobiliária não pode ser tratado como uma simples opção de compra que desobriga o adquirente de receber o imóvel, caso o mesmo não lhe interesse mais.

É preciso aperfeiçoar a legislação para instituir equilíbrio entre as partes na compra e venda do imóvel e impedir que a escalada dos distratos prejudique toda uma cadeia produtiva. A casa própria é o maior sonho das famílias brasileiras e a indústria imobiliária leva muito a sério a responsabilidade de concretizá-lo.

JOSÉ ROMEU FERRAZ NETO é presidente do SindusCon-SP; RODRIGO LUNA é presidente da Fiabci-Brasil; RUBENS MENIN é presidente da Abrainc

* Artigo publicado nos jornais O Estado de S. Paulo e Folha de S. Paulo.